segunda-feira, 28 de março de 2011

Balanço de Queima para Queima


Ao "folhear" este blog impertinente e de mau gosto, dei de caras com um post antigo, relativo á festividade coimbrense conhecida como Queima das Fitas. Senti imediatamente um fluxo de nostalgia a subir pelo meu corpo, que me havia percorrido totalmente ainda antes de acabar de ler o primeiro parágrafo. Quase dois anos passaram desde esse post. Muita coisa mudou. Muita coisa mantém-se inalterada e muito provavelmente inalterável. Tenho confiança no futuro. Que traga concretização, mas também controvérsia – acredito que uma refeição qualquer deve ser sempre temperada, e ás vezes o tempero certo é aquele que se pensa ser o menos indicado (imensos doces que nós todos adoramos apesar de parecerem estupidamente doces, levam algum sal com o intuito de equilibrar o travo, levando a um sabor mais cheio e guloso, apesar de não favorecer muito a saúde…).
Lembro-me como se o tivesse vivido esta tarde. Muito poucos eventos partilham da presença e lucidez na minha consciência como a Queima de 09. Conheci pessoas que mais tarde tiveram um papel importante na minha vida e que me marcaram positivamente, graças principalmente a debates pseudo-intelectuais de natureza introspectiva que de certa forma, proporcionaram uma aprendizagem intuitiva e recheada, apesar de oferecerem pouca claridade e rigor no processo de absorver conhecimento. Talvez seja essa falta de precisão o cancro da minha intelectualidade. Não posso afirmar que tal seja derivado do meu uso abusivo de drogas para fins recreativos, pela simples razão de tal não ser frequente ao ponto de me obscurecer a racionalidade de forma a esta ser tão pouco desenvolvida em relação ás minhas outras competências intelectuais (que nunca foram de bradar aos céus de qualquer maneira). Sendo assim culpo as muitas conversas que tive com amigos, nascidas de uma certa ignorância factual, dotadas no entanto, de um elevado índice de conhecimento empírico, obscurecido pelas emoções subjacentes á sua compreensão por parte do homem e ainda mais obscurecido pela sua partilha sob a forma de divagações. Culpo as também por me terem tornado num jovem adulto amargo, algo desinteressado pelo que me rodeia, assim como pelo que me há de rodear um dia mais tarde. Quando escrevi aquele post há dois anos atrás era um rapaz que sonhava acordado. Era muito imaturo, perverso, tudo em mim desde a roupa que vestia até ao que saía da minha boca era quase ao calha. Corrijo-me, tudo em mim era ao lado do quase ao calha. Era algo gozado pelos demais. Não apresentava grandes competências, tanto no papel como no espírito. No entanto era interessado pelo inatingível. Sabia que não era possível chegar ao céu, mas era gajo para me equilibrar em cima de um muro por mais apertado que fosse, na tentativa de chegar um pouco mais perto (era mais ou menos isso que fazia nos muros que rodeavam a casa do meu Avô. Subia forçosamente para cima deles e, empunhando uma almofada tirada furtivamente do quarto do meu tio Luís, deitava-me para mirar o céu).
Tal como referi, as coisas não mudaram tanto como imaginam. Ainda não tenho barba que leve gaiatos a nutrir inveja. Ainda sou estupidamente magro. Ainda toco guitarra todos os dias. Ainda uso um chapéu diferente por ano lectivo, apesar de me ter cansado de os usar todos os santos dias. Ainda sou heterossexual. Ainda sou danado para beber. Ainda e agora mais do que nunca, sinto o apelo da liberdade e da liberdade de expressão através da música. Quero subir á estátua do leão, aquela erigida em homenagem de um tal de nome Camões, e sentir me estúpido por necessitar tanto de fazer algo tão parvo para me sentir bem como dantes. Quero ser inconsequente e parvo, quero ir para a aventura, quero conhecer pessoas, quero conhecer mais e viver mais! Upa, upa, upa, upa...
ipá
que se passa?!

que se passa comigo...?






(penso por instantes)







apercebi-me que se trata de...














Muito esforço para atingir algo que racionalmente catalogo como supérfluo e breve...














Quantas mais linhas preciso eu de ocupar sem nelas escrever para declarar a minha insipiência de espírito para ir em frente com tais planos? Não quer dizer que não me queira esforçar e que não vá fazer para que as minhas ambições espirituais tomem forma. Já sei...se calhar estou a tornar-me num adulto. Um ser que cautelosamente mede distâncias eficientemente, de forma a percorrer o caminho que lhe prometa o menor desatino. É talvez aqui que resida a diferença mais significativa entre a minha perspectiva do presente e a minha perspectiva do passado. Em tempos dava menos importância a distâncias. Era mais humilde, sonhador e lutador, apesar de tolo e imaturo.
Mal posso esperar para a Queima das Fitas 2011. Farei por lhe sobreviver por pouco e que quando tudo acabar, eu deseje que o ano passe depressa para dar lugar a outra, tal como há dois anos atrás...mas tudo á luz da minha perspectiva actual. Que chegues depressa Queima das Fitas 2011. Que dês lugar a momentos inesquecíveis que nos façam brindar a Coimbra, pois és o seu maior orgulho!

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Balanço anual: 2009


Pois é meus amigos, mais um ano se passou e (quase) tudo continua igual neste país ridículo. Nada é motivo de orgulho nesta "província espanhola" de forma rectangular. A capital devia chamar-se Pretolândia, o Angélico é uma personagem importantíssima na sociedade e gente com um QI de um lápis de cera decidem fazer celas gigantes para bater um record do guiness. E que record... Mas o pior de tudo sobre este país é que a grande personagem que todos adoramos tanto aqui como em qualquer parte do mundo, o grande CR9 nem se quer nasceu aqui. Ele nasceu em portugal, mas numa zona protegida dos vândalos da Pretolândia. Enfim... Nem merecia falar tanto sobre a monotonia deste país, porque realmente a única coisa que mudava até aqui, se tivesse feito este post exactamente à um ano era o CR7 em vez de CR9 (algo que nem aconteceu aqui no nosso paísinho).
Como o país dos Afonsinhos vai de mal a pior, caguei e vou falar sobre outras coisas mais ou menos aleatóris que aconteceram em 2009.
Já que anteriormente falei da pretolândia, vou começar de falar em nada sobre mim, mas que aconteceu a um grande amigo meu. A pessoa em questão andou a brincar com uma preta. Mas eram só amigos. E que amigos tão coloridos. mas bem não quero denegrir a situação do meu camarada cuja situação já está suficientemente negra.
Gostava também de abordar o assunto dos videojogos. Para aqueles que dizem que jogos como o GTA e o caralho são os jogos mais realistas do mundo, fodam-se. Descobri no ano em questão que o jogo mais realista do mundo é, e sempre será o Tetris. E parece que agora está mais enquadrado com a vida do típico adolescente do que nunca. O jogo retrata duma forma totalmente acertada a vida de o típico Dragon Ball do secundário e o seu crescimento desde o preciso momento em que executas o jogo. Começas num ponto estável tudo bem. Mas à medida que o tempo passa vais construindo a tua vida. O problema é que quanto mais merda fazes mais complicado é safares-te. Mas por muito bom que se seja em evitar fazer escolhas erradas, acabas sempre por perderes, a menos que tenhas a coragem de partir o dispositivo onde estás a jogar, ou a destreza de o desligar (dependendo da forma de pensar. Cérebro ou bíceps). E como se isto não bastasse todo este percurso é acompanhado por uma música super irritante, de má qualidade, mas que fica na cabeça.
Este ano ficou também marcado para mim com a minha mudança de escola. Finalmente. Estava farto da minha antiga escola, parecia o bairro Norton de Matos aos Sábados com a ciganada com um cheiro fortíssimo a peixe que se sente num raio de 2kms, a vender de tudo desde camisolas da Lacosta, Abbidas, entre muitas outras, fruta, vegetais e peixe (e agora que penso, não são estes mediocres que cheiram a peixe, mas sim o peixe que cheira a cigano), só que em vz de ser aos sábados era todos os dias úteis. Agora estou numa escolinha com todo o tipo de gente. Menos gypsies. Estou feliz.
Estou em ciências. É difícil. Excepto as aulas de geologia. As aulas de geologia são fixes. Eu gosto de rochas sedimentares. São incrivelmente interessantes. Para além disso, há outro factor algo importante para o meu contentamento perante as ditas classes: passo grande parte das aulas na marotagem, e a minha magnífica performance na dita actividade conseguiu-me um 16 no final do período.
Fora da escola, tive imensas ideias fixes durante o ano, por vezes até as anotava ou gravava ou de alguma forma tentava não me esquecer delas. Sou esquecido. Anotar em papel não resulta. Papel serve para limpar o rabo e não para fazer notinhas. Aliás, todos os outros suportes são inúteis com a minha pessoa. Parece que não sou um homem de projectos. Projectos é para pessoas que não sabem aproveitar a vida. Projectos é para indianos. A vida dos indianos é miserável porque se baseia em projectos projectos e cricket. Mas normalmente tudo fica a meio e os indianos desistem. Excepto do cricket. Nisso eles são mesmo bons.
Houve outros momentos muito interessantes, porém acho que o único que deve interessar é que o meu ipod, com menos de 3 anos decidiu começar a arreliar-me o juízo. Agora o botão esquerdo não funciona bem. Aquele traste custou dinheiro. Um conselho de amigo, não comprem merdas caras porque sejam caras ou baratas, acabam todos por se foder e um mp3 foi feito para ouvir música e não para guardar jogos, ver televisão, guardar fotos, tirar fotos, imprimir fotos, ou disparar uma espécie de arma mortífera qualquer (como é o caso dos ipod clássicos de 30 a 120 gb que podem matar alguém se o atirares contra alguém).

Bem, espero que todos os caucasianos que não cheirem minimamente a peixe tenham um óptimo 2010, cheio de alegria, felicidade e superioridade perante os monstes de bosta ambulantes.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Dica dos Weekends


Quando aparecer um grupo de gajas no bar onde estás e se for meter contigo, é porque te desejam possuir. No entanto é preciso ter em conta que embora se possa fazer muita coisa num bar, poder-se á fazer muito mais numa cama, por isso é prudente pedir o numero de telemóvel a pelo menos uma integrante do grupo de forma a ser possível um coito mais prazeiroso e por mais tempo.
É frustrante, só meto dicas neste blog maldito quando cometo erros com gajas.

Um post acerca da minha tentativa de salvar o Natal


A época natalícia impõe respeito- luzinhas por todo o lado, enfeites patetas, o ocasional pai natal a trepar por uma corda meticulosamente colocada por dentro do parapeito da janela de uma casa. Tudo tretas. Tretas porque para mim o Natal acabou aos 6 anos, quando tive de enfrentar uma nova fase da minha vida- o nascimento da minha irmã.
Sendo o puto mimado que sempre fui, exigia todos os anos a colecção inteira dos power rangers desse mesmo ano aos meus pais(quando refiro pais, estou apenas a referir a minha venerável mãe, já que Pau Brasiuh sempre considerou que a única coisa que tinha de me oferecer por dever era comida e dormida. Pau Brasiuh diz que é uma honra eu morar por baixo do mesmo tecto que ele.), mais o ocasional robô falante ou espada lazer ao meu avô, por isso quando a minha mãe me perguntou se eu desejava ter um irmão, fiquei com medo.
Atónico e ciente do futuro escuro que se aproximava, decidi agir, no entanto falhei redondamente: Tentei privar os meus pais de estarem junto ao telefone, podiam tentar ligar ás agências de cegonhas ou algo do género; Como a minha mãe se deitava ao pé de mim até eu adormecer antes de ir ter com Pau-Brasiuh, fingia adormecer e quando ela voltava para a cama dela, esgueirava-me sorrateiramente e enfiava-me na cama deles, com a intenção de passar despercebido. Não funcionou. Parece que os meus pais não eram muito apegados ao telefone, já que nem um nem outro têm qualquer amigo e ninguém gosta deles, apenas a minha irmã(no entanto anime/naruto/dragonball/pokemon/shippuden/rurouni kenshin/je suis trés inteligente fags do sexo feminino com menos de 16 anos não são pessoas) e infelizmente quando tentava fingir que adormecia acabava mesmo por adormecer... e foi então que decidi fazer a única coisa plausível para alguém desconhecedor do sistema por detrás do aparecimento dos bebés- Estudar livros sobre bebés a fundo.
Ao descobrir que o negócio das cegonhas era só para pessoas feias que não possuiam parceiro para poder consumar o acto sexual e produzir o bebé e que o segredo estava contido nos denominados "testículos", percebi tudo claramente: As bolas de Pau Brasiuh era semelhantes ás bolas de cristal dos dragon ballz. Tinhamos que as juntar para invocar algo parecido com um dragão ou assim que supostamente sairia da ponta da pilinha, de forma a ele nos conceder o desejo de ter um bebé.
Após ter concebido esta perspicaz teoria, decidi experimentar as minhas bolas. Pedi ao dragão que saísse. Pedi delicadamente ao dragão que saísse. O dragão não quis sair, no entanto apercebi me que se exercesse a pressão adequada nos meus testículos, o dragão era forçado a sair.
A dor.
Só havia uma hipótese para evitar que o meu Natal fosse destruido. Tinha que roubar as bolas de Pau Brasiuh e escondê-las onde ele não as encontrasse nunca mais.
Então, apenas com "eyes on the prize", rastejei furtivamente pelo quarto de Pau Brasiuh a dentro. O quarto "fedia com um cheiro esquisito e enjoativo"(palavras da minha mãe ao entrar uma vez no meu quarto após uma sessão de esgalhanço). Eyes on the prize. Entrei dentro dos lençóis. Eyes on the prize. Despi Pau Brasiuh, este respondendo com um gemido semelhante ao de um alce na primavera. Eyes on the ballz. Estranhei pois a única coisa que existia naquele emaranhado de pêlos brasileiros era apenas um pequeno pénis diminuto e duas protuberâncias ovais ainda mais diminutas. Como estavam todas enfiadas dentro da pele reparei que tinha de as puxar para fora antes de as cortar com a minha faca do power ranger amarelo(que por acaso era uma vietnamita gostosa na série). Peguei firmemente num pêlo púbico e puxei rapidamente. Pau Brasiuh gémi ein ágonía. E foi então que espetei a faca do power ranger amarelo no escroto do brasileiro imigrante ilegal. No entanto, e para meu espanto, verifiquei que nada havia sido cortado e que a faca tinha sido partido com o impacto.
-" RAPÁIZ, VOCÊ PAGARÁ PÊLA SÚA IDÊIA DÍ MÉRRDA!!1!!ONE!MUSTANGUI APANHÍ O GÁROTO!!!
O cinturão negro da marca mustangue de Pau Brasiuh foi eficaz.













9 meses depois começou o pesadelo. A atenção que outrora possuia da parte dos meus familiares havia sido roubada. O meu legado de power rangers e espadas lazer havia sido trocado por um irmão que obviamente estava rodeado de todas as prendas impossíveis de imaginar por um puto de 1 semana de idade como ele.
Aproximei-me do berço do meu irmão para verificar se tinha uma pila maior que a dele...e encontrei uma fenda. O coitado não tinha pila. Senti pena dele por saber que ele não poderia fazer xixi como eu ou mexer a pilinha como eu. E foi então que senti compaixão pela primeira vez por alguém, coisa que mudou rapidamente pois a minha mãe alertou-me que ela também tinha aquela fenda algures e que eu não tinha um irmão mas sim uma irmã. !!!!!!!!!
A compaixão rapidamente se tornou em raiva, não poderia deixar uma mulher roubar-me os presentes todos. Se fosse um irmão, ele receberia brinquedos melhores que os meus mas eu tirava-lhos de seguida e ficava com eles. Então das duas uma, ou me habituava a brincar com barbies e cavalos de pau ou então tentava roubar as bolas de Pau Brasiuh outra vez para chamar o dragão e transformar a minha irmã num rapaz. Desisti das duas ideias, passando apenas a castigar fisicamente a minha irmã sempre que tinha oportunidade, primeiro por ser rapariga e depois por ser minha irmã.



Agora devem estar ligeiramente confusos em relação á veracidade do conteúdo presente nesta posta ou talvez em relação ao que isto tudo tem a ver com o natal. É simples, tal como todas as outras postas, esta informação foi cuidadosamente seleccionada por processos unicamente naturais(no drugs) de forma a poderem proporcionar a melhor experiência de leitura possível ao leitor. A mensagem contida nesta posta reside no facto do Natal ser uma época do ano desprezível e completamente capitalista(com esta dica parece que sou da Escola Secundária Avelar Brotero e o meu pai é o Lenine). No entanto antes capitalista que comunista. E embora aquela cor vermelha do fato do pai natal(criatura de natureza pedófila criada pela coca cola) engane, o pai natal teve origem numa seita qualquer pagã, esse negocio de S.Nicolau é tretas da Igreja. Antes pagão que cristão. Irónico é que Jesus Cristo era comunista e criou a religião mais capitalista de sempre(sim, porque a cientologia não é uma religião, é uma seita pseudo-religiosa underground para os famosos).

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O post acerca do Entretanto



Não escrevo desde Outubro por uma razão bastante sóbria: Tempo. E o tempo é muito parecido com O Tesão- desperdiçamo-lo por pensar que é infinito.
As coisas mudaram bastante desde o post da mulher ideal. Se calhar não mudaram assim tanto. Continuo o mesmo rapaz maroto, sedento do verdadeiro amor físico. No entanto fui aprendendo umas dicas neste mês e meio. Aprendi que a confiança para agir é uma mera distorção do carácter sério da acção humana. Aprendi que a confirmação da existência da paixão humana só pode ser considerável após a confirmação da existência de uma outra realidade feita de algodão, sobreposta á realidade predominantemente física e táctea da nossa existência terrena, aprendi a verdadeira natureza do arrependimento, aprendi que sair todas as sextas feiras e sábados á noite e enxergar-me em álcool pode ajudar na realização de objectivos escolares(de 0 a 18 a matemática), aprendi que não fumar antes de fazer o que quer que seja reduz a minha possibilidade de sucesso, aprendi que o humor é a manipulação da minha realidade e da realidade circundante e a sua reorganização de forma a poder fornecer divertimento a mim e ás entidades á minha volta e aprendi que as pretas servem para mais do que para escravas.
Muito resumidamente os landmarks deste mês e meio decididamente foram:

Ter me apaixonado mas ter desistido.
Ter me arrependido de ter desisistido.
Ter aprendido skills de guitarra de jazz.
Ter frequentado todos os convívios de associações de estudantes do dona maria e me ter arrependido de quase todos.
Ter embirrado com algumas amigas.
Ter me tornado um rapaz muito menos físico.
Ter me apaixonado outra vez.
Ter me arrependido de me ter deixado apaixonar outra vez.
Ter me arrependido de me ter arrependido de me ter deixado apaixonar outra vez.
Ter feito o download ilegal do album "Kind of Blue" de Miles Davis.
Quase ter tido relações sexuais com uma rapariga de etnia negra.
Ter me apercebido que estou cansado de escrever sobre humor nascido de futilidade, forjada pela necessidade incessante de divertimento á custa de outras entidades cujas identidades desconheço.
E principalmente, ter me apercebido que temos um montão de coisas na nossa vida que tomamos por garantido e que lá no fundo agimos como se as tivéssemos para sempre. É mentira.
É engraçado. Tudo isto prova irrevogavelmente que tenho muito mais medo do que conheço e do que sei que existe, ao contrário da maior parte das pessoas que vive em permanente sofrimento por não poder determinar a causa da sua morte futura ou qualquer outra tragédia no seu futuro eminente. O meu caso é outro. Descobri que tenho bastante dificuldade em lidar com pessoas. Não gosto de determinar coisas com as pessoas que tenham que verificar uma alteração permanente na minha maneira de lidar com elas. Não gosto que olhem para mim com um "porquê?" demasiado presente nos olhos. Não gosto de magoar. Não gosto de dar justificações. Aliás, por mais triste que pareça, não gosto de lidar com pessoas, embora seja uma das coisas em que perco mais tempo. Gosto de estar sozinho, envolto no meu espaço. Gostava de existir apenas quando me apetecesse, assim quando precisassem de mim eu podia simplesmente não existir. Lá bem no fundo, até sou cínico a este ponto. As regras que me regem são bastante influenciadas por esse mesmo cinismo e as regras que regeram as melhores e as piores atitudes que tive também foram forjadas por esse mesmo cinismo, e entretanto apercebi-me da importância dessa dimensão na realidade do meu quotidiano. Nos próximos tempos terei que fazer muitas escolhas relativas a mim e á minha boa disposição, pelo que algumas pessoas sofrerão com a minha má disposição presente.
God bless individualism

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Realidades controversas


O Giovani diz:
que fazes pseudo italiana?
- A Gambini { espanhol :3 } diz:
estou a fazer uma coisa parecida com estudar espanhol.
O Giovani diz:
parecida com estudar espanhol...
não dá para falar contigo sem sair badalhoquice
- A Gambini { espanhol :3 } diz:
oh meu deus! nem pensei nisso oh meu deus!
xD
Então e tu, que fazes?
O Giovani diz:
eu estou a fazer uma coisa parecida com fazer O Amor

É isso e os teus limites ó Gambini

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Um post acerca de INjustiças



O mundo está cheio de INjustiças. As piores INjustiças são aquelas em que nós não reparamos muitas vezes. Como por exemplo, casais homossexuais a beijarem-se na rua, ou fumadores de ganza solitários (sim porque ganza é como o futebol. Não faria sentido um campo de 50 metros com tantos espectadores a querer jogar e um sacana a correr de um lado para o outro a marcar golos sozinho. Também é o mesmo que com a masturbação, no entanto nem toda a gente quer fazer O Amor contigo, ainda menos por leres este blog maldito).

Uma das maiores injustiças de que tenho conhecimento é O Romance. O Romance é coisa de gajas...e de gays Aliás, O Romance é uma das duas coisas que tornam o filme “Crepúsculo” ficção. Isto admitindo que os vampiros existem. O que a autora fez foi simplesmente pegar numa história qualquer (provavelmente a dela) em que uma gaja encontra um gajo muito simpático e perfeito em todos os sentidos (mas que na realidade é um cabrão insensível e sedento de maracujá) e descrever a história até ao fim, apenas substituindo o “Cabrão Insensível” por “Vampiro Amoroso e Afável”. Comoção. Desilusão, porque a o filme é mentiroso. Toda a gente sabe que os vampiros são cabrões insensíveis e sanguinários. São como os homossexuais, apesar daquelas paneleirices todas o que eles querem mesmo é chupar-te até ao fim (no entanto se fores gaja querem discutir contigo acerca de malas e vibradores).

Voltando á questão do Romance, só as gajas é que podem tirar partido dele. Romance é pagar um jantar a uma gaja, por exemplo, ou comprar uma rosa daqueles Ké Frô. Não espero viver 60 anos, mas esperaria mais isso que passarem 150 anos e mudar alguma coisa no que toca aos jantares. Sai sempre do bolso do gajo. Mas o sistema também não ajuda. Não vêm pessoas a vender cromos de futebol, cervejas a metade do preço ou revistas pornográficas na rua pois não? Ah Pouh. Nunca há o que os homens querem. Revolta.

Outra injustiça lixada são os Anúncios. Os Anúncios são para as gajas. Só se vê na televisão o que essas badalhocas querem: “Deixe-se seduzir por Herbal Essences;” Visite a joalharia Rosa, experimente as pedras que a tornaram numa estrela(ou numa puta com jóias ou ainda numa Nigga Bait)”;” Hugo Boss, só para homens, os rapazes ainda vão ter de esperar”(Sim, é verdade, um anúncio de um perfume para homens. No entanto não o considero um anúncio para homens. Tem muitos homens despidos. A definição mais máscula que posso dar a esses anúncios é “Homossexuais com pujança”.

No entanto, este negócio dos anúncios é bastante compreensível. Presumo que seja punível por lei expr na televisão um anúncio em relação ao que os homens querem na pureza do seu ser: “Meninas, este Natal dêem ao vosso príncipe o que ele mais deseja: Sexo 3 dias seguidos e com a vossa amiga boa incluída; Silêncio; Pizzas caseirinhas ao almoço e ao jantar; Silêncio; Mais silêncio; mais sexo; mais sexo.

Conclusão: Proud to be a Méne








Proud to be a dragon

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Novo meme, as Dicas do Khali


Então é assim, eu e o NãoTantoComoImaginas estamos a jogar um jogo. O jogo consiste em cada um postar 2 dicas do Great Khali. Ganha a que vocês acharem mais épica. Esta não conta. Apenas precisava de dar uma dica machista.

Um post acerca do quão esperto o Rapaz Maroto é


Eu sou um rapaz particularmente inteligente, no entanto fiz uma ou outra opção esquisita na vida.
O ano passado estava no décimo primeiro ano. Supostamente iria passar para o décimo segundo e conseguir o sonho da minha vida, ir para biologia e tornar-me num cientista como aquele cromo do Nick no filme "Godzilla". O destino violou analmente tais planos e introduziu-me á musica, onde percebi que drogas, gajas e algumas guitarradas seriam mais apelativas que estudar minhocas radioactivas. Anulei matemática. Anulei Química. Anulei biologia. Pau-Brasiuh não apreciou muito. Pau-Brasiuh sentir-se desiludido. Pau-Brasiuh utilizá Mustangue para punição severa. Pau-Braziuh utilizá Giu, o seu alicate, para cortá ás cordas da guitarra. Aborrecimento. Má onda.
Foi um ano do caralho. Foi melhor que 2004, em que apanhei um preto no meu quarto a me roubar cartas pokémon e o mandei da varanda. Mentira. Ele entrou-me em casa, roubou-me a carta e um jogo, fui á escola dele ameaçá-lo com uma espada e puseram-me em tribunal de menores. Phail.
Entre muitas outras coisas boas que me foram aparecendo pelo caminho estas foram as mais apropriadas para o Blogue: Acabei com a minha ex-namorada, que para além de ser falsa(não no sentido badalhoco, acreditem eu sei), não me dava cona, ganhei um campeonato de patins, decidi tornar-me psicólogo para poder ajudar "pessoas" que necessitam de apoio moral e de um amigo sólido que está lá sempre por trás para apoiar(e ainda ganhar uns trocos com isso), ir para humanidades onde só há maracujá, ir para O Dona Maria, que é uma escola de coimbra onde abundam atrasados mentais, cromos, betos com a mania e mais cromos, no entanto, é a maior fonte de fêmeas tesudas e jeitosas de coimbra. É um lugar facilmente comparável á savana africana(não, não é em relação ao facto de haverem tribos de pretas com mamas descaídas por toda a parte, isso é ao lado, na Brotero)- Muitas gazelas a correrem de um lado para o outro, mas melhor do que isso são as gazelas que já foram apanhadas e estreadas pelos leões. Se eu vivesse na savana, eu era O Rei das Hienas. Passava o meu tempo a rir-me, a fazer o amor com as Hienas do meu grupo(sim, são todas fêmeas) e a cravar carninha quase fresca aos leões. Em vez de andar a correr feito parvo atrás de gazelas fresquinhas, vou comendo um bocado ou outro de cada gazela quase fresca, garantindo assim que como todos os dias com alguma abundância(isto porque com as minha piadas de Hiena, os leões iam curtir de mim e deixavam-me juntar ao grupo deles).
Resumindo, vivi dois períodos a brincar aos estudantes da Universidade, decidi ser psicólogo e ir para humanidades, e mais importante ainda, decidi ir para o Dona Maria, onde os meus skills de Hiena traiçoeira já me asseguraram o spot.
No entanto alguns leõzinhos não gostam muito de mim. Normalmente são mancos ou têm algum problema com a autoestima deles e não acham piada a uma Hiena estar ali a catar-lhes a zona de caça. Não há problema. Eu compreendo. Até eu detestava ter um rapaz igualmente maroto na escola.

sábado, 3 de outubro de 2009

Um comentário positivo em relação a uma festa promovida por uma lista de estudantes da escola secundária Infanta Dona Maria


Agora percebem porque é que emprestei o meu precioso blog ao Não tanto como imaginas. Para ter mais tempo para dedicar á minha demanda pelo órgão genital feminino, uns chamam-lhe patchatcha, outros chamam-lhe boceta, mas nada tem mais pujança que CONA.
Nesta sexta-feira diverti-me á grande e á brasileira. Fui a uma espécie de convívio da minha escola. Tanta cona. Nenhuma parecia ter menos de 15. O vislumbre do ideal.
Entrei pela Via Latinha a dentro. Estava a penetrar pelo edifício e senti o tesão a subir. O meu pénis tinha boas expectativas.
Como fui para lá sozinho, á espera de penetrar em algum grupo de pessoas conhecidas, comecei a procurar grupos com xoxota. Como sou um rapaz deveras popular e conheço muita gente, podia mitrar-me em quase qualquer grupo sem problemas. O objectivo da procura era observar quantas gajas cada grupo tinha e infiltrar me cuidadosamente no grupo com mais. Mais tesão.
Fui ter com uns amigos meus. Conheci 7 gajas em 36 segundos. A Exaltação cresce. E CResce. E CRESCE. E descai-se. Dois dos gajos que tavam no grupo que eram meus amigos limitaram-me o jogo. Eles gostavam de duas gajas do grupo. O ódio. Elas eram boas e acessíveis. Deixaram-me com uma gaja que tinha acabado com o namorado no dia anterior, e com uma gaja que só me queria cravar shots. Não me lembro das outras gajas. Se estão neste momento a ler o meu blog, peço desculpa, sou mau com nomes.(Mas sou bom com O Amor
Cravei 2 shots.
Cravaram-me 3 cigarros.
Seguidamente cravei 2 bejinhos muito bem dados. Que festa pensei eu.
Sentei-me num sofá que lá havia e comecei a conversar com uma gaja mesmo boa. Ela começou a falar da vida dela. Falou-me que era do basket. Falou-me das lesões dela. Eu falhei-lhe das pernas dela. Ela falou-me que tinha jogo no dia a seguir e que era irresponsável. Eu falei-lhe das mamas dela. Ela falou-me que o namorado dela lhe tinha partido a clavícula a foder. O riso descontroladamente prazeiroso(Vou comer-te de todas as maneiras sua vadalhoca!!!111one!!)
E foi então que apareceu a maior Corta-broas que tenho conhecimento. Infelizmente, o rapaz mais maroto de coimbra também tem sentimentos e acobardou-se. Sim, fui beber para esquecer as frustrações d' O Amor. Sentimentalismos.
Mas felizmente o rapaz maroto quando bebe ou quando escreve é apenas um cabrão insensível e calculista, logo... fui. Beber. Tequilha. Sem o limão e o sal. Incompleto.
Após ter bebido uma puta de uma tequilha intragável fui ter com o grupinho dela. Ela estava com uma amiga muito gira mesmo. Num misto de tentativa de picar a Corta-Broas e de atracção, fui ter com ela e começámos a dançar. Roçámo-nos todos. Apalpei-a vigorosamente. Beijei a loucamente no pesocoço.(Já te foste vadalhoca). Ia lhe dar um verdadeiro beijo inspirado e fui confrontado com as balelas de uma gaja pré bêbada: "Não posso. É errado. A minha boca está guardada para a pessoa especial". Se pré bêbaba não dá, tem de se sacar da carteira. No meu caso das cuecas. Tenho medo que me assaltem.
Levei-a para uma sessão de licor beirão. Fui pouco esperto. Era fraco para a ocasião.
Ela chamou-me GÍÍÍÍÍÍÍÍÍ!1!!!!11! e eu testei os meus skills de cabrão insensível e cego pelo álcool e disse: " O que é que tu queres minha badalhoca"? Ela riu-se. Eu ri-me. O meu pénis chorou(queria tanto por um link nesta) de alegria.
E então a Corta-Broas avisa que se vai embora e pergunta quem quer boleia. A gaja que eu queria amar disse que queria boleia.( OH SHIT NOOOOOOOOOOOOOO!). A Corta-Broas sorri para mim, com a sua essência de criatura isente de alma(e de tesão), e perguntou se eu queria boleia.
No carro falou-se de gajas que tinham desistido de gostar de mim e começaram a gostar de outras pessoas. Degredo. Exposição.
Chegámos ao pé do meu prédio e a gaja que eu queria amar para todo o sempre deu-me um beijo muito bom.





















Na cara. Foi bom.
Subi as escadas do meu prédio, abri a porta, esquivei-me do iminente GOLPI CAIPIRINHA do novo cinto de ataque automático de Pau-BrasiuH, entrei na casa de banho, abracei a san(i)ta, greguei-me. Adormeci, frustrado por não ter comido nenhuma gaja na melhor festa para comer gajas do ano. Sim, eu tenho esperanças que determinadas pessoas leiam este post.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Um post acerca de computadores e religião


Ninguém gosta dos informáticos. Nem deus gosta dos informáticos. No entanto há sempre palhaços que gostam de lutar contra o destino, enfurecer O Senhor, e ir para cursos de informática.

A história de hoje é sobre um rapaz que foi para o curso de informática, porque pensava que nada lhe iria acontecer. Não vamos revelar o nome dele, e para esta história adoptaremos o nome Mário, um nome totalmente fictício.

O Mário quis ir para o curso de informática, todo feliz e não sei quê. Ele estava muito entusiasmado, até que tudo o lixou. 1º Descobriu que não tinha raparigas na turma. Informático que é informático, não se dá com seres humanos com patxatxa. 2º Descobriu que não tinha nem manhãs nem tardes livres. Informático que é informático merece ser explorado, sem luz do sol. 3º As conversas dos colegas baseavam-se em compararem as peças dos seus computadores. Informático que é informático sabe com a placa 3497xxoos é melhor que a placa 99992823jsa, porém para ele isso é tema de conversa durante 3 horas. Visto que nada disto tinha impedido o sonho do Mário de ser informático, Deus passou ao 4º e pior castigo: transformou-lhe a pila numa pila USB. Informático que é informático tem uma Pila USB (claro que os informáticos mais badass fazem upgrades ao seu sistema). Mário ficou triste com estas medidas e ficou de tal modo triste que em casa decidiu ir rezar para o igreja-online.blogspot.com. Com isto, Deus sentiu-se mal por aquilo que fez e decidiu melhorar as coisas, mas NãoTantoComoImaginas. A sua primeira medida teve a ver com a sua pila usb. Decidiu aumentar a memória dela para 8 gb e meter um ecrã táctil na parte de cima. A segunda medida teve a ver com o facto de não haver FEBRAS na turma. Então decidiu meter um talhante informático na turma.

Moral da história: Deus é bom. Excepto para os informáticos... Para os informáticos é só razoável...

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Um post basicamente acerca de futebol


Olá caros amigos

Pois é, já não escrevo desde que o MJ era notícia na TVI. A causa disso é que fui de férias para o Algarve. Felicidade. Ora, férias no Algarve, novidades e histórias engraçadas para contar aos amigos e leitores dos seus blogues. Errado. Nestas férias, não me aconteceu quase nada. uma semana sem nada acontecer. Monotonia. Acho que a coisa mais marcante destas férias foi mesmo ter estado num hotel que era tipo clube de desporto onde a selecção angolana de futebol estava a treinar. Porém, não vi o Mantorras. Foi como ver uma camisola da lacoste sem o crocodilo pequenino. Neste caso uma camisola preta.

Para além disso não aconteceu mais nada, por isso não me posso basear este post no que tem acontecido na minha vida, então vou basear-me num acontecimento que marcou a vida de pelo menos 78% da população portuguesa: o jogo Dinamarca - Portugal. E vou fazer isso como um verdadeiro português:

FILHOS DA PUTA CABRÕES DE MERDA DOS DINAMARQUESES PUTA QUE PARIU, TUDO ROUBADO!!! SÓ JOGO SUJO, VÃO SE FODER. MERDOSOS DE MERDA!! NINGUÉM GOSTA DE VOCÊS!! AI O CARALHO E GENTE VAI AO VOSSO PAÍS DE MERDA FODER-VOS!!1 EU CONHEÇO QUEM SAIBA ONDE VOCÊS MORAM TODOS, SEUS PENTELHOS AMBULANTES. CARAULHO!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Um post acerca de desporto


O mundo do desporto, é um mundo assustador, cheio de adrenalina onde apenas o mais forte sobrevive. Há muitas modalidades hardcore pouco conhecidas, como é o caso dos cr's (Não confundir com CR7 ou CR9). Os cr's são as pessoas que têm uma cadeira de rodas e a utilizam para fazer coisas radicais, ou mesmo estúpidas. As corridas de cr's começam sempre por uma boa ameaça aos outros atletas, e segue-se pela corrida em que todos puxam pelo seu máximo para alcançar a vitória. Mas pronto, há muitas outras coisas boas no mundo do desporto. Tenistas russas, jogadoras de volley de praia brasileiras (só por serem brasileiras e jogarem volley de praia, têm de ser boas. Não há hipótese), outras tenistas russas, e cheerleaders de tudo e mais alguma coisa. Infelizmente para mim, as únicas atletas portuguesas que podem ser boas são as atletas arraçadas de comunistas. 97,23% das atletas portugueses que não são arrançadas dos países do leste ou aqueles países nórdicos ou aquelas merdas todas que há na Europa depois da Alemanha, são feias. Mesmo que sejam boas antes de começarem a praticar desporto, se começarem, começam a nascer verrugas, as mamas diminuem, o cabelo muda de cor, forma e tamanho (em casos mais fortes, pode chegar a escurecer, tornar-se ruivo, alisar, e mais umas quantas cenas que eu não sei porque não sou cabeleireiro brasileiro). Infelizmente também para mim todas as russas e suecas e o caralho não gostam de rapazes que não falem a sua língua-mãe. Desagrado. Corta broa. Google Translate. Por vezes, gostava de ser russo, chamar-me Dimitri Vladekovich, beber duas garrafas de vodka por noite e foder com mais ou menos 24 ucranianas, 6 russas, 4 polacas e 3 suecas por semana. Baba. Ideal. Bom. Mas depois penso bem e acho que prefiro ser português. Toda a gente sabe que as russas têm fetiches marados, e que são demasiado dominadoras. Seria demasiada carga para mim. Para além do mais, até é bom ser português nesta altura. Porque a grande maioria da população portuguesa é constituída por serranada, e estes estão quase a iniciar a fase de hibernação. Felicidade. Amor. Esperança.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Um post acerca do amor


Todos nós, precisamos do amor. Bem, quase todos. Há alguns que não precisam e otros que não merecem, mas a maior parte, precisa do amor. Há várias formas de transmitir o amor. Mas bem, não estou para falar só das definições e o caralho. Eu vou dar a minha opinião. a minha opinião é que o amor não podia ser transmitido para outras pessoas em público, a menos que já passassem das 3 da manhã, porque se a essa hora não estás em casa, provavelmente estás bêbado, e ninguém se vai lembrar do que viu na noite anterior. Acho nojento quando um alto mitra monta numa transmontana atrás dos arbustos do parque da cidade, ou pior, num banco qualquer no centro da cidade. Degradante. Nojento. Barulhento. Quando penso naquilo, dá-me vontade de ficar sego. Mas pronto, ainda há casos piores. Quando vão a um spot bué escondido, já prontos para o comilanço, e vêm que está ocupado e descobrem as mais incríveis manobras. Foda-se..., cabrões..., temos de exprimentar aquele skill amanhã... São sempre aquelas coisas que dá vontade a todos de dizerem depois de encontrarem os casalinhos ladrões de spots. Raiva. Insatisfação. Curiosidade sobre o skill marado que a gaja fez ao outro. Mas temos de viver com isso, afinal todos precisamos do amor. Até o mácáco. E tal como o mácáco, EU também preciso de me divertir, e o facto de a todo o lado onde vá haver alguém a comer outro alguém dificulta muito as coisas. Não pelo facto de haver falta de spots, mas sim por haver falta de gajas. cerca de 87,53% das adolescentes da aqui da cidade que já levavam umas trancadas, estão ocupadas. Isto de esperar por Agosto para arranjar dama, fódeu-mé o négocio. Injustiça. Desagrado. Felizmente para mim, todos sabemos que quando começam as aulas e os serranões machos deixam de andar por aí só pó cenário e vão hibernar. Mas as raparigas por vezes podem ser difíceis de convencer. Felizmente existem bebidas alcoólicas! Felicidade. Sucesso. Utilizar as skills dos serranos que vimos no verão. Mal posso esperar pelo Outono.

Novo membro da team!!!1!!1one!1


Olá, sou o novo membro da equipa do Blog maroto. Vim aqui parar porque não sou brasileiro, nem espanhol, e o rapazmaroto decidiu que precisava dum verdadeiro português para o ajudar. Obviamente, não pude deixar de o ajudar, visto que ele é meu amigo, e amigos são para as ocasiões, portanto, a partir de agora, eu também vou escrever posts deveras contrutivos e interessantes.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Um post acerca da gripe A



A gripe nunca me fez diferença. Só apanhei gripe uma vez. E foi num acampamento. Adorei aquele acampamento. Mas isso não interessa.
A gripe A neste momento é como o Bin Laden era há uns anitos. É uma safada. E toda a gente fala nela como se fosse alguma ameaça global que devemos temer. Na verdade, a gripe A não passa de uma pop star. O Bin só não se tornou numa popstar porque é muçulmano. Não há popstars muçulmanas. Nem sequer há popstars judeias. O Bob Dylan tentou ser do contra mas viu que a vida dele estava a andar para trás(é mais a guiar para trás lole rofl xisdê lmfao lawl yourmothersuckscocksinhell) e decidiu, numa atitude de judeu revoltado virar cristão. Desaprovação.
Tal como todas as popstars, a gripe A passará algum tempo na spotlight. Ok, a gripe A vai fazer uma merda ou outra e Sim a gripe A vende. Bastante. Todas as verdadeiras famílias portuguesas temem esta ameaça. E todas as famílias verdadeiramente portuguesas sabem que a coisa mais importante de todas não é o dinheiro ou o benfica ganhar. É a saúde. A puta da saúde. No entanto quando é para foder e não há preserva sa foda o AIDS!!!!!!11one! Promíscuidade irresponsável- sim este link tem sentido e é direccionado para alguém. Riam-se foda-se.
E agora é aqui que entram as indústrias farmaceuticas. Chulice. Mas todas as popstars mais tarde ou mais cedo desaparecem. Para sempre.
Tenho a certeza que não vou pelas massas e não vou apanhar gripe A. É uma questão de saber evitar as coisas. Comparando com a música, seria muito provavel na sociedade de hoje eu começar a gostar da Rhiannas. Mas sempre que ouvia o príncipio de alguma musica cantada por uma preta, desligava o rádio ou a televisão ou fechava os ouvidos e começava a cantarolar o white room. Na gripe A acontecerá o mesmo. Se vir alguém a tossir eu fujo. Nem que esteja num comboio. Como tenho sangue de brasileiro eu sei que é na boa se saltar do comboio. Resistência física.
Lá no fundo, esta gripe de merda é apenas mais uma gripe como todas as outras, apenas se pega mais depressa e é ligeiramente mais pomposa.. De que é que eu estou a falar, os Tokio Hotel já se puseram nas putas. Agora só me restam os Jonas Brothers para gozar. Sinto me tão pouco flexível.

Um post humilde e deveras reconciliador


Nunca mais desrespeito o Rui Veloso, nunca. Respeito. Muito respeito, mesmo que nesta foto ele pareça um suíno no acto de defecar.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Um post arrogante e deveras invejoso


Nunca gostei de música portuguesa. Simplesmente não consigo ouvir bem. A maior parte das coisas são música pimba de merda. Se ao menos fossem cantadas por uma gaja menos feia a roçar o seu órgão genital no meio do palco eu até poderia ir ver um espectáculo ou outro quando me sentisse carente.
Fiz este post porque ao passear nos youtubes, acabei por tropeçar num video do B.B King com um tal Rui Veloso. Primeiro cocei o meu sinal na nádega esquerda, depois voltei a olhar. Sim, era o Rui Veloso. Aquele tipo que toca música folk portuguesa. Fiquei incrédulo. Pau-Brasiuh disse-me que o Rui Veloso era um grande guitarrista de blues. Intrigado por um músico tão famoso português tocar o mesmo género de música que eu, fui ver.(Baixas Espectativas). Mesmo assim decepcionou-me. Aborrecimento.
O que prezo mais num guitarrista é na sua capacidade de ser interessante quando está a improvisar. E infelizmente eu não fui há bola com o Rui. E então na minha atitude de guitarrista enraivecido, pus 1 estrela no rating e quase que fiz um post negativo. Mas tive pena do Rui. Ouvi boatos que ele era um miserável em todos os aspectos naquela altura. O meu comentário poderia provocar o seu suicídio.
Quando finalmente acabei de ver a cover do stormy monday blues de Rui Veloso, a original sendo de T-Bone Walker, decidi também tocar com o B.B King.
Não esperem pela demora, um dia eu e o meu baxista seremos famosos e poderemos tocar com a Britney Spears.



Nota: Agora vi o vídeo com mais atenção e retiro metade do que disse, o sacana até fez uns licks muito engraçados. No entanto não merecia tocar com aquele homem. Inveja.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Um Phail na Figueira da Foz




Nunca gostei da figueira da foz. É uma terra habitada por mitras e por coimbrenses tesos, sem condições monetárias para ir para o algarve.
Também não gostava nada dela quando era piqueno. A praia tem fundões(traps), onde de repente ficas sem pé e és puxado pelos peixes-aranhas até ao fundo, onde depois eles te picam-te vigorosamente.
Ora vinha eu das minhas vacations de 24 horas, exausto porque vim a correr de Buarcos até á estação, quando o homem dos bilhetes disse-me que o próximo comboio era duas horas mais tarde. Foi desagradável. Aborrecimento.
Lá estava eu, sentado num banco de uma cidade de merda, numa estação de merda,longe dos braços da minha progenitora, quando um bando de rapazes mal intencionados passou por mim. Eu estava mesmo muito envolvido pela Lucifer Sam e estava a escrever uma mensagem. Só pude reparar na cara monstruosamente feia da rapariga que estava com eles. E foi então que o cabra-macho do grupo me tirou o telemóvel velozmente. Excremento.
Parei a olhar para a minha mão durante 5 segundos. Pensei em dar o rabo em troca do telemóvel mas achei demasiado infeliz. Pensei em impor-me vigorosamente, mas isso iria ter repercussões. Pensei em suplicar, mas depois lembrei-me que tinha óculos escuros iguais aos do john lennon. Isso por si só impunha respeito.
Aproximei do grupo e saiu-me: " Espera, eu vou para lisboa. Vou ao funeral do meu pai e não sei onde é, preciso do telemóvel". Os meus desejos mais intimos. Nostalgia.
Como eles não conseguiam ver o medo nos meus olhos ou ouvir o medo na minha voz máscula, decidiram dar-me o telemóvel. Senti-me maior que o mundo. Tinha recuperado o telemóvel de um grupo de mitras e não tinha levado uma facada no abdoméne. Quantas pessoas é que podem dizer isto em Portugal?

sábado, 1 de agosto de 2009

A minha noção de música



Existe boa música em todo o lado. A minha música padrão preferida é a dos sixties. Fez tanto sentido. As minha bandas preferidas são os Cream e os Jimi Hendrix Experience. Provavelmente são o único assunto que eu não irei deturpar neste blog por nada deste mundo. Respeito. Gosto mesmo desta música. Aliás, gosto tanto mas tanto destas bandas que faço comparações impossíveis de comparar por pessoas normais: Ouvir Jimi é como fazer O Amor com a amiga boa da namorada. Não só nos dá tesão por ser infinitamente melhor que o que a namorada pode oferecer, mas também por, mesmo tendo broches á pala em casa, termos preferido ir buscar a outro lado.

domingo, 26 de julho de 2009

Um post acerca de glândulas mamárias e outras marotices


Surpreendentemente, eu não gosto muito de mamas. Gosto das minhas. Por isso toco-lhes repetidamente. Quem me conhece pessoalmente, está alerta deste pormenor. É bom.
Infelizmente existe muita gente que não está contente com as suas glândulas mamárias. Nos países chineses ou para esses lados, compram-se mamas grandes na mercearia, aqui metê-las custa mais que copular com uma mulher da vida de primeira classe. :(. Não é justo. Supostamente, toda a gente merece ter glândulas mamárias desenvolvidas não? Não. Não tem qualquer propósito. São meramente decorativas. Comparo-as a uma árvore de Natal. Quando chega o Natal, lá se vai buscar a árvore, e se metem os presentinhos todos de(a)baixo dela.
No acto sexual, as glândulas mamárias não têm qualquer significado para mim. São meras desculpas em forma de almofadas naturais, que a natureza pôs na mulher para o homem poder apertar, aperto esse que as mulheres confundem com carinhos, sentindo-se satisfeitas. Mel.
As gajas devem é se preocupar com o Orgão Genital Feminino. Parece uma flor numa manhã de orvalho. Aquelas que dão mesmo vontade de cheirar, mas depois cheiramos e um abelhão aparece do nada e morde-nos o nariz. Só algumas é que têm o abelhão -Só algumas é que cheiram a cona mal lavada. Nojo
O problema é que só se preocupam com as GM porque estas dão para se ver. A não ser em educação física. Papos grandes nao se safam. Tinha uma gaja na turma que era toda boa. Tinha um rabo como ó sol. Tinha mamas como aquela gaja que canta, aquela australiana, tinhas mamas como ela antes do cancro . No entanto era má. Muito má mesmo. Ninguém gostava dela. Mas eu gostava. Do rabo dela. Foi a primeira rapariga a quem vi o papo(mais conhecido por camel toe). Era grande. Se não fosse por aquele lindo papo, eu não lhe perdoava as bocas de puta que ela me mandava. Sou tão querido.
Como vêm, eu até sou bastante afável. A melhor maneira de uma gaja me engatar seria mostrar-me o papo e perguntar-me se eu gosto.

Dica dos Weekends



Não gosto quando as pessoas não vêem os meus links.
Em vez de perder 2 minutos a escrever um post, perco 10 só porque meto links. Não tem piada nenhuma. Nenhuma mesmo. Se eu tivesse EP(não pensem que tem cura, porque não tem), esses 8 minutos servir-me iam perfeitamente.
Vejam os links das palavras. Senão fico abatido.

sábado, 25 de julho de 2009

Um post acerca do Harry Potter



Quando era puto, não gostava do Harry Potter. Achava uma fantochada um feiticeiro de merda com uma cicatriz em forma de raios ta partam ter um amigo ruivo e uma amiga waffle(ou muggle), que é o equivalente a um preto na nossa sociedade.

Fui ver o novo Arre Potter há dias. Gostei. Gostei mais que do prisioneiro de Azkabans Especialmente porque era uma versão dos morangos com açúcar, mas com aventura, quase sexo, muitas coisas mágicas e metade do filme ser o ruivo de merda(no filme, a família Weasley é como os brasileiros na realidade: embora sejam brancos, são discriminados por todos) a comer uma gaja gorda, Gostei deste facto porque me lembrou que o filme era mesmo um filme. Gajas como a actriz que faz de Hermicona não se sentem atraídas por um ruivo de merda como o Weasley.

O enredo do filme é bastante complexo e bastante retórico. Apela bastante ás nossas emoções e aos nossos sentimentos.

O Harry, que é um paneleiro da merda, dá uma tampa a uma preta bem boa e escolhe ir com um feiticeiro velho de terceira classe. Homossexualidade.

O Harry, que é um burro da merda, em vez de comer a gaja boa que estava a planear preparar uma poção de amor para ele, escolhe envenenar o seu amigo preto, o Weasley..Homossexualidade. Traição. Justiça por ser como os brasileiros..

O Harry, que é um feiticeiro da merda, falhou ao impedir o pobre do Dumb O´Dore de ser violado pelo Snape.

Não aconteceu mais nada. Mas eu até gosto disto assim. No entanto eu faria algumas mudanças:

Mudaria os actores um pouco: metia o Weasley Snipes no papel de Weasley, simplesmente porque ambos partilham o atributo de serem ambos pretos mas, ao contrário do Weasley, o Weasley Snipes é o gajo mais badass que existe, ele mesmo antes de nascer já tinha um nome parecido com Sniper, e é este tipo de pessoal que o Harry precisa de ter por perto para o salvar das paneleirices dele.

Metia o Steven Seagal porque em todos os filmes que eu vi dele, há sempre um gajo qualquer que diz:” This guy is the best I ever seen”. Ao menos este gajo é o melhor em alguma coisa(no joke). Mesmo que seja apenas o melhor nas histórias dos filmes que faz, ao contrário do Arre Potter, que é um fail tanto como actor e como personagem(fodasse, qualquer gaja vencia o Arre Potter num duelo.)

Metia o Jackie Chan no papel de Hermione, porque faz o papel da personagem melhor. A Hermione supostamente é uma pessoa odiosa por ser preta e por ter lama no sangue. Credo. Supostamente é alta nerd por ser a melhor do colégio. Supostamente é a melhor a fazer a Magia(ou o Amor). Supostamente até é esperta (para passar á frente dos outros - Puta). Supostamente a Hermione é apenas uma filler. Não pode contar para nada produtivo. No filme ela faz tudo pelo Harry porque ele simplesmente é especial e não consegue fazer as coisas sozinho.

Mudava Pau-Brasiuh no papel de Snape em vez do Snape(sim, ele é mesmo o snape na realidade.). Seria bastante mais temível se fosse Pau-Brasih, e bastante mais odioso, não só por ser brasileiro. Imaginem só o gabinete do Snape cheio de recordações do Brasil( birinbáus, arcos e flechas, hímenes de índias pregados á parede, etc.) e samba aos altos berros. Medo.

Metia o Jimi Hendrix(RESPECT) no papel do Dumb O´Dore porque assim Pau-Brasiuh escusava de o matar.

Mudaria o enredo. Imaginem o filme com os actores novos. A Hermione faria o amor com o Harry e depois tornava-se a “Ma Bitch” do Weasley(Snipers).

O Harry fazia o amor com a mocha dele.

O Harry Potter não entrava no trigal com os maus da fita. Em vez disso sacava de uma bazuca pakistanesa do bolso e rebentava com o campo inteiro, incinerando tudo. Antes de partir, ele metia uma bomba dentro da casa dos Weasley com os Weasley lá dentro. O Sniper Weasley safava-se.

O Harry Potter ia num helicóptero sozinho para ir buscar o horcruxe do Voldemort(sim, o Dumblewhore morreu em 1970, vítima de afogamento em vinho e vómito).

O Harry Potter metia uma bomba para abrir a gruta. Aproximava-se daquela cena que parecia uma fonte e bebia aquela merda de uma só vez, sacava do whishkey do bolso, sava um gole e ia a nadar á cão até á saída. Os mortos vivos atacam-no, mas rapidamente saca de uma bomba e mete na água. Os mortos vivos morrem todos.

O Harry Potter vai para o castelo de Hogs N Wartz mais a crew.

O Malfoy tropeça no pé do Weasley Snipes. Não há perdão.

Os maus da fita aparecem do nada. O Weasley Snipes mata os todos com a magia presente no seu dedo mindinho. O Harry Potter rebenta com o castelo.

A Hermione arranja maneira de, mesmo tendo partido o pé ao levar com uma torre em cima, conseguir derrubar um mau da fita, com um daqueles pontapés chineses que ela aprendeu no manual dela. Mel.

O episódio não acaba. Qualquer filme em que o Steven Seagul entra tem de acabar ali. Não há cá paneleirices de franchises.

O Voldemorte aparece do nada e ao tentar apanhar o Harry, pisa numa mina escondida.aparece uma milf quarentona do nada. O Voldemort apanha-a. Ele faz chantagem e aponta uma UZI á cabeça da infeliz. O Harry diz que o vai apanhar. O Harry é mais rápido que as balas. O Harry apanha a gaja. O Voldemort, sabendo que vai pó caralho mas tendo noção que ainda pode matar alguém, tenta a sua sorte com o Weasley, talvez por ele ser preto. Ele não leva a sua avante. O Weasley apanha a bala com a boca e dispara-a para a cabeça do Voldemort com a língua.

Acaba tudo bem. O Harry Potter come a gaja. O Steven Seagal fode a gaja. O Weasley desaparece por um buraco no chão. A Hermione finalmente encontra o amuleto chinês que procurava há anos e baza para Bang Cock. O Dumb O`Dore morreu nos anos 70, vítima de uma overdose.

Conclusão: I would rather watch Scooby-Doo

quinta-feira, 16 de julho de 2009

A terceira verdade inquestionável


Sim, o Michael Jackson está morto. Mácáco mostra descontentamente e aborrecimento(e revolta)
Michael Jackson morto(não sei meter no computador o símbolo de adição) Mácáco góstár thrilléhr(símbolo de adição)Mácáco góstár Jackson(símbolo adição)bránco mátá Jackson(símbolo de adição)Mácáco ficá nérvoso(acentuar no "r")(símbolo de igualdade) Macaco não perdôa

A segunda verdade inquestionável


Na verdade, este blog é como se fosse um sapo(Mácáco neste caso). Por trás dele está um verdadeiro príncipe encantado(supõe-se pelo menos né?!!!!!!11!!!!)



O CBquês que o diga

Verdades inquestionáveis


Não sou minimamente racista. Apenas não gosto de Mácáco

Esta imagem fala pelas duas

Este blog também é patrocinado por: Mácáco

Esta imagem fala pela outra

Prôfessô Bambo rêsolvéu o méu prôblêma- Élhe fázê amô com minha námourada e expulsá os espírito máuvado.
No entanto acabei com ela por me ter posto os cornos. Puta. Ainda por cima com primo de Mácáco

Esta imagem não fala por si

Esta imagem poderia dizer alguma coisa(se a tua mulher fosse boxeur)

É por isto mesmo que eu não quero que a minha mulher trabalhe fora de casa. Só de imaginar que por acaso me caso com uma boxeur até me arrepiam os pêlos do ânus. Não ia gostar muito de a ver chegar a casa com a boca toda desfigurada e impossibilitada de abrir, vítima de soco de Mácáco. Decerto prejudicaria o equilíbrio matrimonial.

Esta imagem diz quase tudo


Sim, aquela rapariga perfeita que por acaso foi tua vizinha desde que nasceste, que esteve no mesmo infantário que tu, que no infantário teve o mesmo namorado que tu, que esteve na mesma primária que tu, que esteve na mesma sala de aula que tu, que partilhava os mesmo gostos musicais que tu, que é muito mais sensível que tu, que esteve na mesma secundária que tu, que tem usa os mesmo preservativos que tu(em vez de pastilha), que ama todos os animais do mundo, tal como tu, pode eventualmente ter fodido com Mácáco e ter pêgado AÍD(I)S.

Esta imagem diz tudo

Sim, o problema de falta de emprego não é devido á política. Melhor, até é. A política de deixar as mulheres trabalhar.
Quando eu for o presidente do mundo, as mulheres não poderão trabalhar nunca mais. Não quero que os meus filhos aprendam coisas com os meus avós, e não quero recorrer a nenhuma babysitter(metade das babysitters do mundo são travestis brasileiros). Não quero correr o risco de chegar a casa e ver os meus filhos a dançar samba e a foder a ouvir gilberto gil.

sábado, 11 de julho de 2009

Julgamentos



Sempre me perguntei-se a gaja que o J.C andava a comer era gira. É só imaginar o panorama. Ser filho de DEÓS, ter uma barba sexeh, ser hippie, beber mais vinho que o meu avô. O J.C era o gajo mais popular de jesus-além, era tipo o Travolta no Grease, mas muito mais hardcore, principalmente porque o Trav(esti)olta fazia de dançarino da merda e o J.C fazia de emo. Obviamente, Madalena era uma pessoa com bastante classe e nível, digna de um príncipe, decerto com uma profissão honrosa, e com hábitos de trabalho muito rigorosos e respeitáveis, sendo por isso bastante eficiente e com standards bastante elevados. Adorava ter uma mulher assim em minha casa(no caso do J.C um celeiro).
Sendo o gajo mais popular da terriola dele, o J.C tinha obrigatoriamente de ter uma crista, jogar futebol, ter brincos com diamantes e dizer que se o mundo inteiro fosse exactamente como ele, o mundo seria um sítio bastante melhor. Isto levanta algumas dúvidas, no entanto, ninguém leva um preto judeu(combo) a sério, ainda por cima quando andava a comer uma prostiputa. Sendo assim, o J.C virou attention whore e decidiu fazer milagres para chamar a atenção e mostrar que não era um preto arraçado de judeu como os outros. Os outros judeus não gostaram nada. O Hit(méné)ler(harry potter é melhor que ler crepúsculo) não gostou nada. Os líderes judaicos não gostaram nada. O MJ não gostou nada. O meu avô gostou porque o J.C foi lá a casa e fez com que a torneira da banheira dele desse vinho.
Como o meu avô é de portugal e só as putas que ele fode é que o levam a sério(depois de foderem com ele), e ele não conseguiu aviar todas as putas de jesus-além numa tarde para conseguir a ajuda delas para ganhar os votos nas eleições(se o partido do J.C perdesse ele era cucificado), as coisas não correram como desejado. O meu avô perdeu. O Pau-Brasiuh ganhou. Timor ganhou a independência. O CR7 ganhou o best do ano. A banheira do meu avô deixou de dar vinho. O J.C foi cucificado( sim é cucificado). Bem feito. Não gosto de wannabes. Especialmente de Harry Potter wannabes. Toda a gente sabe que as únicas 3 coisas do mundo que são magicas são o cinto do Pau-Brasiuh, a gaja do dá-me o telemóvel já a fazer o amor com um rapaz de um bairro social, as histórias do meu avô, as crianças a fazer guerras de comida em África, o concerto espectacular do M.J em Portugal a 1 de janeiro de 2010 e o fantástico respeito no casamento dos meus avós.